Nilza Tavares, 55 anos.

Não tem religião mas acha necessário acreditar em Deus. Hobby, arrumar a casa desesperadamente, pode chegar visita e apesar da renda apertada não gosta de cheirar a pobre. Mestiça de índio e negro é totalmente avessa ao racismo, mas costuma dizer que homofobia é diferente, eles tem escolha, negro não.

Fora Temer: “O problema é que a população não sabe votar. Aí esse bando de ladrão deita e rola.”

Obs: Assiste “Balanço geral” à tarde.

Wesley Queiroz, 20 anos.

Não tem religião mas acredita nas energias do cosmo. Compareceu a rituais com ayahuasca e pretende visitar um terreiro um dia. Hobby, tocar violão. Adora Pink Floyd e odeia AC DC. De família pobre, só tem amigos burgueses e freqüenta festas na USP. Usa o cabelo longo e força sua mãe a malabarismos na cozinha para contornar seu veganismo. Sua palavra preferida é “fascismo”. É avesso a homofobia e ao machismo, mas deixa sua mãe idosa se acabar de cozinhar, lavar e passar enquanto lê seus livros de ciências sociais.

Fora Temer: “Ai mano, esse assunto me dá preguiça. Nem agüento mais assistir jornal. Pergunto pro Julhão que é tretado nesses lance.”

Obs: Joga “The Sims” no tempo livre

Marcos Santos, 26 anos.

Homossexual, ateu, adora Anne Rice e freqüenta assiduamente a Vieira de Carvalho. Acredita que é importante escolher um namorado com carro e não gosta de fazer sexo sem se depilar. Não segura segredo de ninguém, lê o e-mail alheio sem culpa e o Whats do namorado para se certificar.

Fora Temer: “Ah… Eu acho que devia ser igual a Dilma. Todo mundo sabe mas fica essa hipocrisia e… Porque mesmo eu tenho que falar disso agora?”

Obs: Acredita que os 13 porquês (que assistiu em maratona) é um veneno para pessoas depressivas.

Marília Esmeralda, 27 anos.

Ateia fervorosa, fala mais em Deus do que evangélico. Adora bibliotecas, mas está suspensa por um ano na biblioteca de São Paulo e não devolveu o Irvine Welsh até hoje na Mário de Andrade (já fazem dois anos). Não quer namorado, acha o casamento uma piada trágica e faz rodízio para trepar com seus peguetes do Tinder. Não come nada verde, é muito solícita mas extremamente egoísta. Não vive sem Rivotril.

Fora Temer: “Acho que isso já foi. Teve toda aquela mobilização e parece que a população já engoliu. Francamente, ele não vai sair. Vai enrolar até 2018.”

Obs: O ponto alto de sua vida foi um jantar com o Lourenço Mutarelli.

Murilo Chagas, 53 anos.

Católico, mas faz estudos com testemunhas de Jeová. Gosta de cinema Blockbuster e livros de auto-ajuda (nunca perdoou o filho pequeno por ter rasgado “Como fazer amigos e influenciar as pessoas” do Dale Carnegie). Acha que tem a mente aberta, pois tem amigos homossexuais mesmo não achando normal, e se casou com uma mulher negra. Fala com propriedade sobre “família e amor”, mas nunca abraçou o próprio filho (que aliás morre de medo que seja gay).

Fora Temer: “Nesse momento a gente tem que pensar no país. Se a gente entra nessa de perseguir o cara, a gente perde o foco. Viram o que aconteceu com a economia?”

Obs: É contra a violência contra a mulher e embora tenha batido na esposa, não se considera um agressor, pois só foram duas vezes.

Estela Aster, 30 anos.

Adora literatura, cinema e artes em geral (o que começou para impressionar uma namoradinha burguesa), tem dúvidas do que seria sua vida sem Ne?ix, acredita que o banco Itaú é o próprio diabo e acompanha assiduamente o jornal da cultura e da gazeta com mesmo absurdo dos filmes do Hayao Miazaki (seus filmes preferidos, “A viagem de Chihiro”, “O castelo animado” e “A princesa Mononoke”). Chora em tudo que é filme quando está bem e exercita a apatia total nos momentos depressivos. Acha engraçadas as fotos do padre com a mão em sua cabeça em suas fotos de batismo (é atéia).

Fora Temer: “Bem eu acho que… Quero uma morte rápida e sem dor.”

Obs: Prefere cachaça a antidepressivos.

Fernanda Pessoa